Archive for julho, 2013

Para aprender a estudar

30 jul

Por Erica Cavour e Beth Musikman

A adolescência é uma fase de transição e descobertas. Muda o corpo, muda o cérebro, muda o estilo de vida, da criança e de toda a família. Nesta fase, a família adolescente tem uma série de transformações e ajustes a realizar. Tanto o adolescente vai precisar se esforçar para arcar com novas responsabilidades quanto os pais devem se adaptar a nova demanda de liberdade. Responsabilidade e liberdade são dois lados da mesma moeda. Vamos tomar aqui responsabilidade como a “habilidade-de-responder” (habilidade de responder às obrigações, às tarefas, às demandas, às perguntas) e criar um guia simples e prático  para que os pais possam ajudar seus adolescentes, que têm como maior responsabilidade sua própria vida escolar, a serem mais atentos e organizados.

Dicas para o estudante do Ensino Fundamental II – 6º e 7º anos

  1. O jovem agora tem vários professores, cada um do seu jeito. Ele vai precisar desenvolver o próprio jeito de estudar. Insista para lhe ensinar que ele estuda para si mesmo!
  2. Oriente seu filho para que organize o material em casa e leve sempre o que for trabalhar na escola.
  3. Acompanhe de perto se eles estão fazendo os deveres de casa!
  4. Prova é o momento de provar o que se aprendeu. Provar também significa experimentar. Diga para seus filhos que nas provas eles irão experimentar o que aprenderam e que aproveitem esse desafio!

Dicas para o estudante do Ensino Fundamenta II – 8º e 9º anos

  1. Como eles vão precisar estudar mais, tudo vai parecer mais entediante. Diga que devem ser perseverantes e continuar fazendo os deveres de casa e levando o material às aulas.   É assim mesmo!  Fazer isso é a melhor maneira de entrar de férias logo e sair da escola o mais rápido possível, conte esse segredinho a eles!
  2. Mostre que é possível usar o computador a favor do seu adolescente. Em vez de usar o MSN para só para bater papo, diga  que com a ferramenta ele pode checar qual é o dever de casa, tirar uma dúvida sobre a matéria e  fazer o trabalho de grupo online.
  3. Diga para ele e o incentive a mandar boas ideias sobre a escola e sugestões para a coordenação. Explique que só reclamar com os pais e amigos não ajuda e que é preciso usar o tempo de forma inteligente!

Dicas para o estudante do Ensino Médio

  1. Converse com seus filhos que estiverem nessa fase que eles devem encarar a escola como o dispositivo “Estou com Sorte” do Google: ele serve para você saber o que a maioria das pessoas estão querendo pesquisar.
  2. Se o seu filho é curioso, estimule isso. Ensine que tudo o que aprendemos é bem-vindo, a vida é longa e não sabemos ainda de o que vamos precisar.
  3. Sempre que o adolescente ficar entediado ou julgar inútil um conhecimento diga para ele perguntar ao professor: porque eu devo aprender isso?
  4. Todas as alternativas acima são verdadeiras. Releia a lista e continue praticando!

Erica Cavour, fonoaudióloga com formação em Psicologia Formativa e Beth Musikman, psicopedagoga e terapeuta de família, são mediadoras do Temas e Metas – espaço para aprender a estudar

 

Para curtir o fim de semana no Rio!

25 jul

Confira as dicas da Agenda KIDS in

Colônia de férias na patinação no gelo

A pista de patinação no gelo Barra On Ice, localizada no Extra 24h, recebe alunos para a sua Colônia de Férias até 31 de julho. As aulas são oferecidas avulsas ou em pacotes de cinco encontros. O horário é de segunda à sexta, das 13h às 15h e sábado de 11 às 13h. Serão passadas desde as regras básicas da patinação no gelo, até técnicas de aprofundamento para os mais experientes. | Valor R$ 90. Cada aula. | Pacote 5 aulas: R$ 350. | Pagamento no local: Dinheiro ou cheque. | Indicado para crianças a partir de 5 anos

Informações

Peça infantil

Embalada ao ritmo dos grandes clássicos do choro, Um Chorinho pra Dona Baratinha retrata as peripécias de Dona Baratinha, uma personagem simpática e carismática, em sua busca por um marido. Ao encontrar uma moeda de vintém na dispensa torna-se muito rica, apesar de pequenininha, com “fita no cabelo e dinheiro na caixinha”. Assim, nossa heroína decide arranjar um partido à sua altura. | Sábados e Domingos às 17:00h no Teatro Fashion Mall| Indicado para crianças a partir de 3 anos

Informações

Arte em família

Sábado, dia 27 às 17 horas, acontece o projeto chamado “arte em família “no Instituto Moreira Salles. A programação conta com um passeio recreativo pelos jardins do Burle Marx no IMS, com atividades artísticas no ateliê do centro cultural para crianças e toda a família. | Idade mínima: 05 anos. | Entrada gratuita, as senhas serão distribuídas meia hora antes da apresentação.

Informações

Gastronomia para crianças

Quem gosta de pizza, levanta a mão! Um dos pratos preferidos de crianças e adultos, a pizza será o tema do curso do próximo dia 30 de julho da Escola de Gastronomia de crianças que acontece na Hebraica Rio.
Durante a aula, as crianças de 6 a 11 anos vão aprender a fazer pizzas doces e salgadas.
Com turmas limitadas a 20 mini chefs, ao final da aula haverá uma degustação para os alunos e convidados, com direito a mate e refrigerante. | Horário: 14h às 17h | Investimento: R$ 120,00.

Informações

 

Volta às aulas!

24 jul

Férias e, então, é hora de voltar às aulas.  Hora de tirar a mochila do armário, arrumar o material e… Pensar no lanche das crianças. Nessa hora, nos pegamos pensando na dificuldade que é negociar com os pequenos esse último item, uma vez que crianças em idade escolar já deixam claro as suas vontades e, muitas vezes, torcem o nariz para frutas, verduras e legumes. E fazer com que as crianças troquem guloseimas, como salgadinhos, refrigerantes e balas, por alimentos mais nutritivos não é tarefa fácil para a maioria dos pais.  Alguns resolvem rapidamente essa questão não vendo o que seus filhotes escolhem nas cantinas escolares.

No entanto, a presença de opções saudáveis é fundamental, já que os hábitos alimentares são formados ainda na infância. Quando a criança não se alimenta em quantidade e qualidade adequadas ao seu perfil, a energia e disposição para realizar as atividades diárias bem como a imunidade serão afetadas e o rendimento escolar pode ser prejudicado. Além disso, estudos mostram que doenças da vida adulta, como obesidade, câncer, osteoporose, doenças do coração e diabetes, normalmente resultam de escolhas alimentares erradas na infância.

Se dermos tratos à bola , podemos buscar soluções nutritivas e que seduzam a criançada.  Farei sugestões testadas e aprovadas pelos meus próprios filhotes aqui em casa. Todas ideias fáceis, descomplicadas. O segredo é que tenham uma aparência atraente, sejam práticas de comer e sempre com opções diferentes para evitar a monotonia, o que acabaria enjoando qualquer criança. Vocês verão como é fácil!

> Salgadinhos de pacote sim, pois as crianças adoram um pacotão bem colorido. Mas, desde que sejam orgânicos, assados e sem conservantes, nem corantes artificiais, além de reduzidos em sódio. E isso existe? Incrivelmente, sim. Encontro sempre em lojas de produtos naturais, como Mundo Verde, por exemplo. Os que fazem sucesso aqui em casa são:

  • Snacks Integrais assados e crocantes (Vitao)
  • Pitzo Orgânico Integral (Mãe Terra)
  • Sabuguinho de Milho orgânico  (Mãe Terra)
  • Cookies Integrais (várias marcas disponíveis)

>  Snacks de Algas Marinhas (Sea Gift). É feito apenas de alga, óleo de canola e sal marinho. É de fato uma delícia! É importado da Coreia e pode ser encontrado também em supermercados, como o Pão de Açúcar, além das casas de produtos naturais já descritas acima.

>  Frutas e legumes fáceis de serem comidos e atraentes ao olhar.

  • Um potinho cheio de tomatinhos cereja e nozinhos de mussarela de búfala. As crianças amam.
  • Potinhos com uvas Crinson (vermelha) e/ou Thompson (verde). Ambas são uvas sem caroço. Ficam lindas misturadas.
  • Um potinho ou mesmo uma pequena embalagem que já venha pronta com as mini cenourinhas, ou baby carrots, como as da Mônica, por exemplo.
  • Um potinho com tangerina sem caroço previamente descascada. Quando as crianças são pequenas, é melhor não oferecê-la inteira, para não ser uma barreira a mais entre ela e seu lanchinho saudável.
  • Mix de nozes, amêndoas, castanha do Pará e frutas secas. Eu mesma preparo o mix das crianças ou mando uma que encontrei pronta no mercado, chamada “Já” (da Frutt`Oro).

>  Sanduichinhos feitos com pão integral, com infinitas possibilidades de recheio.

  • Peito de peru e queijo de Minas;
  • Requeijão com tomate e orégano;
  • Requeijão e geleia de frutas sem açúcar;
  • Ricota e cenoura raladinha embebida em suco de laranja por cinco minutos.

>  E para beber:

  • Água de coco: procure as frescas congeladas e não as que ficam na prateleira normal, pois essas têm conservantes, o que dá até para notar no sabor.
  • Sucos de frutas feitos em casa – coloque no congelador na noite anterior e tire antes da criança ir para escola, assim chegará geladinho na hora do lanche.
  • Leite batido com achocolatado e colocado no congelador como no item anterior.  Uma excelente opção aos achocolatados prontos, lotados de açúcares, acidulantes e mais outros nomes que não encontramos na natureza…
  • Água, água e mais água. As crianças se esquecem de beber na escola. Uma garrafinha de água na mochila é fundamental.

Aqui em casa a aprovação é total. Minha filha me diz que as suas amigas sempre querem trocar de lanche com ela – os da cantina, bien surmas ela não troca!

 

Para curtir o fim de semana no Rio!

18 jul

Confira a programação da Agenda KIDS in

para se divertir

Antecipando o clima de Copa do Mundo da FIFA no Brasil em 2014, o Museu do Futebol promove uma série de oficinas que divertem e ensinam a criançada. O espaço “Férias no Museu” oferece oficinas de arte e colagem, desenho, origami e também um espaço de leitura. As atividades gratuitas acontecem de quinta-feira a domingo, das 10h às 17h, até a 28 de julho.

Informações

para assistir

Mais um filme estreia nas telas paulistanas. Dos criadores de Madagascar e Kung Fu Panda, “Turbo” é uma comédia veloz, sobre um simpático caracol que ganha o poder da supervelocidade. Depois de fazer amizade com outros caracóis espertalhões, Turbo percebe que ninguém vence sozinho. Então ele decide ajudar seus amigos a conquistar seu sonhos, antes de perseguir seu próprio sonho impossível: ganhar a corrida Indy 500.

Informações

para curtir

Aberto recentemente em São Paulo, o Mamusca é um espaço de brincadeiras que procura integrar pais e filhos, que podem brincar juntos em um quintal com uma jabuticabeira ou no espaço interno, com ares de casa da avó. Nas férias, o Mamusca preparou um pacote super especial. As crianças podem ficar lá nos períodos da manhã (das 9h às 13h) ou da tarde (das 14h às 18h). É possível comprar uma entrada avulsa ou o pacotão da semana que inclui oficinas variadas como marcenaria, fotografia, culinária e confecção de brinquedos, contação de histórias e ainda um lanchinho muito saboroso

Informações

para participar

No mês das férias, a Casa das Rosas, belo casarão na Avenida Paulista, oferece uma programação extensa para os pequenos. No sábado, 20/07, por exemplo, das 14h às 17h, tem uma feira de troca de livros, gibis e brinquedos. No dia 21/07, às 15h, tem contação de história com o grupo de música infantil Racauí. No dia 27/07, também às 15h, é a vez de uma oficina de camisetas carimbadas. E para terminar as férias em grande estilo, no domingo, 28/07, às 15h, vai rolar uma tarde de piquenique e conversa com a autora do livro “Contos Maravilhosos Lituanos”, Melissa. Levem uma comidinha para compartilhar!

Informações

Por Lia Vasconcelos

 

Do tempo da vovó…

16 jul

Por Fernanda Ávila

Os bairros cresceram, as ruas ficaram mais movimentadas, a segurança diminuiu, os jogos eletrônicos ficaram mais acessíveis, os brinquedos ultra tecnológicos ficaram mais baratos, os canais infantis de TV se multiplicaram, surgiram os tablets e os pais passam mais tempo fora de casa. Tudo isso fez com que aquelas brincadeiras antigas – amarelinha, queimada, pular-corda, lembra? – desaparecessem do repertório de atividades das crianças, certo? Errado!

Os tempos mudaram e os nossos filhos têm menos oportunidades de brincar ao ar livre. Mesmo assim, pode reparar, seja no pátio da escola, na praia, no playground do prédio, na quadra do condomínio, na pracinha do bairro ou até mesmo na garagem de casa, a criançada sempre resgata alguma brincadeira lá do seu tempo (ou da sua mãe, da sua avó…). As regras variam um pouco, algumas adaptações são feitas, mas os jogos que nos encantaram no passado continuam fazendo a cabeça dos pequenos. Veja alguns exemplos, tire do fundo do baú os seus preferidos, vista uma roupa bem confortável e entre nessa brincadeira com a garotada.

Alerta

Participantes: 3 ou mais

Como jogar: enquanto um participante conta até dez, os outros saem correndo. Ao terminar a contagem ele diz: “alerta”! Nessa hora todos devem parar de correr e permanecer em seus lugares. O “pegador” pode dar até três pulos para pegar o jogador mais próximo. Esse, então, se torna o “pegador” na próxima rodada.

Amarelinha

Participantes: 2 ou mais

Como jogar: a partir de um desenho feito no chão, o primeiro participante joga uma pedrinha na casa de número “1”. Se a pedra cair na linha ou fora da casa, ele perde a vez. Do contrário, deve continuar o jogo pulando (num pé só) de casa em casa até chegar no “Céu”.  O jogador coloca os dois pés no chão e volta pulando da mesma forma. Vence o jogo quem chegar antes no “Céu”.

Batata-quente

Participantes: 4 ou mais

Como jogar: os participantes sentam-se em círculo e escolhem um objeto (pode ser uma bola, um pano, uma pedra…) para representar a “batata-quente”. Alguém fica de fora cantando “Batata quente, quente, quente, queimou…”, enquanto os outros vão passando o objeto de mão em mão. Quando terminar a música, quem estiver com a “batata quente” na mão, sai do jogo. Vence quem sobrar.

Cabo-de-guerra

Participantes: 2 ou mais (sempre em números pares)

Como jogar: Você vai precisar fazer um risco com giz no chão, delimitando a área de cada oponente ou do grupo de oponentes, um grupo para cada lado.  Você vai precisar também de uma corda bem resistente com cerca de dois a dois metros e meio de comprimento,.. Os dois grupos, divididos em números iguais de participantes, seguram cada um uma ponta da corda, colocada bem no meio da linha, formando o desenho de uma cruz. Vence o grupo que fizer com que seus adversários ultrapassem a linha do chão primeiro.

Cabra-cega

Participantes: 3 ou mais

Como jogar: forma-se uma roda. Um dos participantes fica com os olhos vendados e vai para o centro do círculo. Os participantes se espalham e a cabra (que está de olhos vendados) tenta pegar alguém. Quem for pego será a cabra na próxima rodada.

Chicote-queimado

Participantes: 3 ou mais

Como jogar: um jogador arrasta uma corda em movimento circular, enquanto os outros saltam para não serem “queimados” pela corda. Quem for queimado sai do jogo.

Corrida de saco

Participantes: 2 ou mais

Como jogar: trace no chão uma linha de partida e uma de chegada. Os participantes devem vestir sacos (os clássicos são os de estopa) e apostar uma corrida pulando. Vence quem chegar antes na linha de chegada.

Dança das cadeiras

Participantes: 3 ou mais

Como jogar: forme duas filas de cadeiras viradas para lados opostos, contendo uma cadeira a menos do que o número de participantes. Um dos participantes controla o som. Ao ouvirem a música, os jogadores andam em volta das cadeiras com os braços para trás. Quando a música parar, todos devem sentar-se rapidamente nas cadeiras. Quem sobrar, sai do jogo. A cada rodada uma cadeira é retirada até que sobre um único participante.

Estátua

Participantes: 3 ou mais

Como jogar: um participante fica no centro enquanto os outros andam, correm ou dançam pelo espaço. Quando o que está no centro grita “estátua”, os outros devem ficar imóveis enquanto o jogador que faz o alerta fica provocando e tentando a desviar a atenção dos demais. Quem se mexer, sai do jogo.

Mamãe-polenta

Participantes: 3 ou mais

Como jogar: um participante é escolhido para ser a mamãe, que deve “preparar uma polenta”. Quando termina, ela sai para passear e os filhos “comem a polenta”.  Quando volta, o jogador que representa a mãe diz:

-       Cadê a polenta que estava aqui?

-       O gato comeu

-       Como eu faço para pegar o gato?

-       Pega a escada.

-       E se eu cair?

-       Bem feito!

Então a mamãe corre para pegar os filhos.  Quem for pego, é a mamãe-polenta da próxima rodada.

Pular corda

Participantes: 3 ou mais

Como jogar: dois participantes seguram as extremidades de uma corda (com cerca de um metro e meio a dois), enquanto outro pula, podendo aumentar o grau de dificuldade (num pé só, em ritmo mais rápido, girando enquanto pula, etc). Durante a brincadeira, as crianças entoam várias parlendas que, mesmo com algumas modificações ao longo do tempo, são as mesmas cantadas por suas mães, avós e bisavós. Uma clássica: “Um homem bateu em minha porta
/ E eu abri
/ Senhoras e senhores: põe a mão no chão
/ Senhoras e senhores: pule de um pé só
/ Senhoras e senhores: dê uma rodadinha
/ E vá pro olho da rua /
Ra, re, ri, ro, rua…”. Nessa hora o jogador sai e dá lugar ao próximo.

Pular elástico

Participantes: 3 ou mais

Como jogar: Amarre as pontas de um elástico e escolha dois participantes para serem os apoios do elástico. A cerca de um um metro e meio de distância, os apoios encaixam o elástico na altura dos tornozelos e abrem um pouco as pernas de forma que se forme um retângulo paralelo ao chão. As crianças que ficam de fora alternam os pulos para o lado de dentro, fora e sobre o elástico sem enroscar os pés. Quando terminar a sequência, o elástico sobe um nível e vai para a altura dos joelhos, depois para as coxas e quadris, aumentando o grau de dificuldade. Quando um dos participantes engata no elástico é a vez de outro jogador começar a sua sequência. As coreografias dos pulos variam e são constantemente renovadas pelas crianças.

BOX

O que é dodgeball, meu filho?

O nome soa estranho, mas as regras são bem conhecidas. O famoso dodgeball, do qual a meninada tanto fala ultimamente, nada mais é do que a versão americana da nossa queimada (ou caçador, mata-mata… Depende da região do pais). Mas, se por aqui o tradicional jogo é restrito às brincadeiras em parques, praças e ginásios de escolas, nos Estados Unidos é levado a sério. Organizado em ligas, tem bola e campos próprios e competições oficiais. Tá explicado?

 

Programação para o fim de semana!

11 jul

Confira a programação da Agenda KIDS in:

museu de astronomia

O palácio abriga um acervo rico em explicações sobre os fenômenos da física e da astronomia. Tem três cúpulas de telescópios construídas entre 1914 e 1916. Os visitantes podem assistir a filmes e palestras. Aos domingos, às 16h, tem recreação com monitores.| Horários: Sábado, 14h às 20h Domingos e feriados, 14h às 18h.

Informações

tarde no zoológico

Aproveito o final de semana para levar as crianças ao zoológico! A Fundação RioZoo tem mais de 2.100 animais entre répteis, mamíferos e aves, além de uma minifazenda. | Horário: Terça a domingo, das 9h às 17h

Informações

parque das ruínas

Mirante ideal para observar do alto o movimentado Centro da Cidade e parte da orla do Rio. Área verde onde está o Museu Chácara do Céu, o Parque das Ruínas foi o que restou do Palacete Murtinho Nobre. O parque abriga uma sala de exposições, auditório e cafeteria, garantindo conforto a shows musicais, happy hours e leitura de textos literários. Nas áreas ao ar livre se destacam concorridos shows e uma programação especial para as crianças nos finais de semana.

Informações

Beijos,

Zazá

 

Pelos muros da cidade.

09 jul

Por Marcella Sarubi

Grafite não é pichação! É arte. Se dentro de casa o seu “pequeno vândalo” ou a sua “pequena delinquente” adora rabiscar uma parede aqui, outra acolá… Que tal colocar essa vontade toda para fora em uma arte que de rabisco não tem nada? O grafite existe desde o Império Romano e, durante muito tempo, foi considerado uma expres- são marginal, livre de qualquer sentido artístico. Hoje, figura como modalidade artística de honra na galeria da arte urbana (ou, street art, lá fora, onde os grafiteiros tupiniquins têm feito o maior sucesso).

As obras de arte estampadas pelos muros das grandes cidades são inusitadas, cheias de humor e carregadas de sentido. Acima de tudo, são coloridas e suas linhas passeiam por diferentes gêneros e estéti- cas, flertando até com o universo infantil, por meio da memória de seus artistas, personagens, traços e representações fofas da realidade.

Fazendo uso do espaço público para interferir na cidade e, claro, causar algum tipo de reação com a mensagem que passam, os grafites encantam os olhos e despertam a curiosidade a respeito de seus autores, que usam e abusam de referências do incrível mundo das crianças. Fique com a gente nas próximas linhas, conheça esses artistas e descubra o que vai por debaixo dos sprays espalhados pela cidade.

A artista plástica Nina Pandolfo se dedi- ca ao grafite desde 1992, mas ficou conhe- cida pela arte apenas em 2000, quando começou a fazer exposições de seu traba- lho. Os desenhos de Nina são delicados, femininos, doces e cheios de significados, lembrando, muitas vezes, o universo oní- rico. É como se, ao olhar para eles, nossos olhos mergulhassem memória adentro em busca do que as referências representadas possam sugerir. Há bonecas delicadas (e fofas), corações, meninas estilizadas cujos olhos refletem outra menina usando uma coroa, pirulitos em forma de bengala, e mui- to mais. Nina não faz segredo sobre o fato de sua obra ser diretamente relacionada a uma infância profícua de ideias e imaginação.

— Meu trabalho sempre teve uma relação com minha infância, que foi bem criativa e que, pra mim, é fonte de muita inspiração. Cresci brincando no jardim, criando brinquedos e brincadeiras.

Na opinião da artista, o grafite, além de encher os olhos, tem outro significado bastante importante na vida das crianças. Para ela, as obras, que carregam em si um quê de diversão, chamam a atenção dos pequenos e acabam por despertar o interesse pelas artes. “Por estarem na rua, bem na passagem de todos, pelas imagens coloridas e por alguns trabalhos serem bem ‘divertidos’, creio que, para os pequenos, estar no trânsito observando todo esse entorno, por exemplo, não seja algo tão ruim assim. E, como não é muito comum levarmos as crianças em excursão para exposições de arte, o grafite é, então, uma maneira de começar a educar os olhos para o mundo da arte. Um começo, um despertar”.

No currículo de Nina Pandolfo, há algumas incursões no mundo das crianças de hoje. Em Cuba, a artista realizou um workshop com meninos e meninas autistas. Já na França, pintou a parede de uma escola com o acompanhamento dos alunos e, mais recentemente, em São Paulo, realizou um workshop com adultos e crianças.

O grafiteiro Marcio Swk (diz-se ‘Suk’) está no ramo há 11 anos. Ele é um dos artistas mais conhecidos no Brasil e no exterior, já participou de exposições, mostras e até mesmo de um livro que reúne grafiteiros da cena mundial (originado no projeto ‘Exchange Project’). Há exatos sete anos, Swk sobrevive da arte e é um dos fundadores dos coletivos SANTACREW e FLASHBACKCREW – no momento um dos mais badalados do país. Sobreviver do grafite é para Swk um sonho, que ele divide com as crianças ensinando o ofício em ofi- cinas regulares no Rio de Janeiro, no Clube Campestre, Alto Leblon:

— O curso foi acontecendo de uma forma espontânea. Desenvolvíamos um trabalho por lá e, enquanto os pais ficavam no clube, as crianças acabavam acompa- nhando a gente, desenhando. Cada uma foi chamando outros amiguinhos e a família estava formada. Hoje as aulas acontecem toda semana, sempre às sextas, no período da manhã e da tarde.

Essa não foi a primeira experiência de Swk com o universo infantil, que, aliás, acredita estar conectado com o grafite por conta das cores, criatividade, alegria e outros aspectos do bem que permeiam a arte e o mundo dos pequeninos. No passado, durante um ano, já como artista reconhecido pela modalidade, ele ensinou jovens de uma instituição correcional a grafitar:

— Tive a maravilhosa oportunidade de passar o meu trabalho para esses jovens que, apesar de terem realidades totalmen- te diferentes do comum, apresentam um denominador: todas elas são crianças que têm uma facilidade enorme de aprendiza- do, pois estão com seus cérebros fresqui- nhos. O que buscamos nas aulas é apresen- tar mais uma opção de trabalho ou style de vida. Tem crianças que estão conosco há exatamente quatro anos no Campestre.

Uma tartaruga chamada Jorge e uma divertida barata que usa máscara de gás. Esses são os personagens de Binho, um dos pioneiros do grafite no Brasil e na América Latina, que dialogam sem intermediários com o público infantil. A identificação acontece por conta dos elementos presen- tes nos desenhos, que são fórmulas exatas para as crianças: fábula, um singelo bom humor e cores! “A linguagem do grafite atrai diversos públicos, mas as crianças são, certamente, as mais próximas. Tenho dife- rentes linhas de diálogo com elas, como os personagens que criei e o uso que faço das cores em minhas obras”.

Binho também realiza oficinas de pintura e de desenho em São Paulo e busca, sempre que possível, promover ações ligadas à educação e mostras de arte para crianças. O objetivo é estimular, além do sentido estético, a busca inerente das crianças, na opinião do artista, em romper barreiras por meio da arte, onde tudo é possível.

Grafiteiros-mirins em prática

Os irmãos Nicolau (15 anos) e Pedro (13 anos) são alunos das aulas de grafite de Swk no Clube Campestre. Os dois meni- nos praticavam há três anos, quando um deles, o Nicolau, teve de parar por conta do horário na escola. Mas Pedro segue nas aulas e os dois, juntos, adoram tudo o que é relacionado ao grafite e culturas que orbi- tam em torno da arte, como skate e o rap, outras manifestações artísticas de rua. Mãe da dupla, a empresária Martha Locatelli é a maior incentivadora da prática:

— Além de desenvolver muito a criati- vidade e a técnica do desenho, acho que a convivência com Jou (parceiro de Swk nas aulas) e Swk é muito legal, pois são pessoas bacanas, especiais e considero uma boa influência na formação dos meninos. Fico impressionada com a concentração das crianças em aula. Elas ficam uma hora e meia sentadas, focadas nos desenhos.

Já os meninos? O que eles curtem? Bem, a grande onda deles é quando chega o momento de, depois de todas as aulas práticas, soltar a criatividade, se libertar e pintar os muros para olhar e depois dizer “quebrô”, gíria do idioma “grafitês”, que é utilizada para expressar a alegria de um grafite super bem elaborado.

> Aulas de grafite no clube Campestre, inscrições: marcioswk1@gmail.com ou jouzitos@hotmail.com

> Para ver mais do trabalho de Binho, acesse www.flickr.com/binhone

> Confira a obra de Nina Pandolfo em www.ninapandolfo.com.br

 

Diversão para o final de semana!

04 jul

Confira a agenda KIDS in:

musical circense

O Arraiá dos Irmãos Brothers é um musical circense que conta uma história já muito evocada nas festas de São João: o casório entre Rosinha. No repertório musical, composições próprias criadas exclusivamente para a montagem, além de clássicos de Luiz Gonzaga e Dominguinhos como “Asa Branca” Ao final da apresentação os atores se juntam aos espectadores e formam uma quadrilha típica dos festejos desta época. Sábados, às 17 h no Centro Cultural do Parque das Ruinas.

Informações

madagascar, o musical

Alex, Marty, Glória e Melman levavam uma vidinha pacata na África, até Alex acordar de um pesadelo aterrorizante onde tudo a sua volta se tronara seco e sem vida. Seus amigos se transformaram em animais rabugentos e caquéticos. Então, vem em sua cabeça a latente ideia de voltar para “casa”. O espetáculo acontece no Centro Cultural Anglo Americado, na Barra. | Horário: sábados e domingos às 17h. | Ingresso R$ 50,00 – Levando um livrinho usado paga-se meia entrada.

Informações


espetáculo cultural

O novo espetáculo do Grupo Costurando Histórias, Embarcando na Arca: Retalhos de Noé e o Poetinha faz referencia à comemoração ao centenário de nascimento do poeta Vinicius de Moraes. Para isso, preparou um espetáculo que reúne diferentes linguagens para encantar crianças e adultos. Artes plásticas, música, literatura e teatro. Todo os domingos a partir de 16 horas | Ingressos ( inteira) R$ 10,00 / R$5,00 (meia)

Informações

 

Inverno é tempo de sopa!

02 jul

Tem estação mais acolhedora do que o inverno? Dá vontade de ficar mais pertinho, trocar abraços mais demorados, os dias de sol são prazeres raros e bate aquela vontade de ficar entocado em casa com quem a gente ama, vendo um filminho, batendo papo se deliciando com comidinhas que fazem muito mais sentido nessa época do ano.

As sopinhas são uma excelente pedida para as noites frias. Quentinhas e saudáveis, são ideais para nossas crianças, que agora precisam de mais energia para manter a temperatura de seus corpinhos.

Tiro do meu caderno especial de receitas, uma que faz muito sucesso com todos aqui de casa. O creme de batata baroa com frango orgânico desfiado é um tiro certo com as crianças e excelente para todos nós.

E, só para lembrar, a batata baroa, além de deliciosa, é um alimento de alto valor energético, pois é rico em amido, ideal para a estação. Comparada aos outros tipos de btata, é a que possui maior teor de ferro, fósforo, cálcio, potássio e magnésio. Possui, ainda, vitaminas C, do complexo B e é rica em betacaroteno (pró-vitamina A). Possui também um índice glicêmico muito menor do que a da batata inglesa sendo, por isso, muito mais saudável.

E frango, por favor, use o orgânico. Não deem para seus filhotes o Frankstein cheio de hormônios de crescimento e antibióticos que ocupam a maioria das prateleiras dos supermercados.

Animados? Então, mãos à obra nessa receitinha fácil, simples, saudável e deliciosa:

Creme de batata baroa com frango orgânico desfiado

Ingredientes

4 batatas baroas grandonas (os então 8 das pequenas)

1 copo de iogurte Activia branco (uso esse iogurte substituindo o creme de leite, pois ele é super grossinho e não se sente a diferença na boca. Já o corpo, agradece!)

1 dente de alhoo

Sal a gosto

4 coxinhas de frango orgânico

1 colher (chá) de açúcar mascavo

Preparo do creme de batata baroa:

Cozinhe as batatas por uns 10 minutos com uma quantidade de água que as cubra por inteiro. Bata no liquidificador, juntamente com a água do cozimento. Refogue o alho com um pouquinho de óleo de coco (se não tiver, pode ser com azeite mesmo). Despeje as batatas já batidas no meio do refogado, dê uma pequena fervura e só aí misture o iogurte.

Preparo do frango desfiado:

Tempere o frango com alho e cebola. Pincele uma panela com óleo de coco e coloque um pouquinho de açúcar na panela. Quando o açúcar estiver corado, adicione o frango desfiado e, conforme for secando esse molhinho, acrescente um pouquinho mais de água. Deixe esfriar e desfie. Sirva a sopa com o frango por cima, colocando apenas na hora de servir.

Além dessa receita, você pode inventar mil maneiras de servir uma sopa atraente para a criançada, sempre lembrando que texturas, em geral, despertam mais o interesse dos pequenos. Outra ideia é colocar em sopas de legumes batidos, um tantinho de espaguete integral, ou então a boa e velha sopa de letrinhas.

Você vai passar um inverno aquecido e manter uma alimentação saudável e muito gostosa!

Um beijinho,

Zazá.